Aldeia Tehuhungu


Visite a Aldeia Pedra e se encante com a cultura nativa e as belezas do Alto do Xingu

A Aldeia Pedra ou Aldeia Tehuhungu, na língua caribe, está localizada no alto Xingu, nas imediações de um dos braços do Rio Xingu, o rio Kuluenne.

Há nesta e nas aldeias vizinhas muitos índios que ainda não falam o português. Em aldeias maiores, podemos encontrar escolas onde as crianças são alfabetizadas em português, porém, os mais velhos quase não falam nossa língua. De maneira geral, cada etnia preserva sua língua e alguns dialetos ainda em sua forma original e pura.

A região, de fauna e flora muito ricas, possui várias espécies de peixes, como a pirarara, piranha, arraias e outros animais como, tartarugas e jacarés, etc… O índio do Xingu tem como base da sua alimentação, a mandioca, que é consumida em forma de mingau como bebida; tapioca e farinha de mandioca que acompanham o peixe. Em outras ocasiões, eles também caçam animais nativos.

O visitante fará os mais belos passeios de barco ao longo do Rio Xingu onde poderá observar maravilhosas paisagens, flora e fauna locais; o nascer e o pôr do sol e toda a magia e riquezas que o rio oferece. Ele terá também a rara oportunidade de vivenciar o dia a dia numa aldeia indígena, observar sua cultura, artesanatos, culinária, cultos e cerimônias, sua mitologia em todo o seu esplendor.

A vida na Aldeia Tehuhungu decorre de maneira tranquila. O dia começa ao raiar do sol e as índias logo dão início às rotinas diárias, seja colhendo mandioca ou preparando a mandioca já colhida anteriormente. Elas passam o tempo trabalhando com artesanato e preparando a comida do dia. Há também as danças comemorativas, de agradecimento, festividades e lutas, e dependendo do motivo da dança ou da festividade, os nativos passam o dia se preparando para ela.

Sendo uma honraria tradicional aos visitantes das aldeias, eles recebem as pinturas típicas de cada etnia. A tinta usada é derivada da fruta do jenipapo e do urucum e são preparadas na hora.

Os homens das tribos são os responsáveis pela caça e pesca e o fazem pela manhã ou ao final da tarde. A caça do dia é compartilhada entre as famílias e a mandioca se faz muito presente entre eles, pois além de ser a base da alimentação indígena, é também é usada como um regalo por ocasião de visitas, como a tapioca (beiju). A bebida em forma de mingau de mandioca é oferecida aos visitantes nas diversas aldeias como uma oferenda de boas vindas e se houver rejeição por parte do visitante, isto é considerada uma grande ofensa à tribo.

O principal meio de comunicação entre aldeias indígenas é o rádio amadorismo e cada aldeia possui um desses equipamentos. É comum usarem o equipamento para se manterem informados das notícias da região. Para isso, ligam o rádio para ouvir as intercomunicações entre aldeias.

Os homens se comunicam com pequenos gritos, que passam um ar de alegria, podendo ser pela manhã, indicando que tal família está acordada, ou a qualquer hora do dia para quebrar o silêncio. As crianças correm soltas e gostam muito de brincar. Os índios se banham no mínimo 3 vezes ao dia no rio e as índias mesmo sem shampoo e condicionador têm os cabelos lindos, brilhantes e sedosos!

Ao escurecer, as famílias se recolhem e começam o preparo do jantar, que pode ser numa grelha improvisada ao ar livre ou dependendo do tempo, dentro da própria oca.

Alguns hábitos do homem branco já estão fortemente incorporados à rotina do Índio. Um deles é o futebol. Existe até um campeonato profissional entre as aldeias e já faz parte do cotidiano jogar uma pelada, chamando o pessoal de aldeias vizinhas pelo radio.

Entre utensílios típicos do homem branco que já estão incorporados na vida indígena temos o barco a motor, o sabonete, o anzol, lâminas de barbear (gilete), lanterna e materiais para artesanato, que eles adoram receber como presente. É comum a troca de presentes e ao final da visita cada família presenteia o visitante com uma lembrança feita por eles. Pedimos aos visitantes que tragam materiais biodegradáveis e que todo o lixo não biodegradável produzido seja levado de volta e descartado adequadamente na próxima cidade. Uma vez que o Índio tem o hábito de queimar o próprio lixo, detritos não biodegradáveis irão poluir o ambiente.

O visitante fará os mais belos passeios de barco ao longo do Rio Xingu onde poderá observar maravilhosas paisagens, flora e fauna locais; o nascer e o pôr do sol e toda a magia e riquezas que o rio oferece. Ele terá também a rara oportunidade de vivenciar o dia a dia numa aldeia indígena, observar sua cultura, artesanatos, culinária, cultos e cerimônias, sua mitologia em todo o seu esplendor.

Acesse o site da aldeia entre em contato com os nativos para agendar uma visita e desfrutar desta experiencia única de conviver com os povos da nossa sagrada terra.

#Turismo

Você pode gostar de ler também: