Fanzine de Setembro de 2014

Cidade dos Lábios de Mel

Iracemápolis passa a integrar cobertura da Fanzine!

A Revista Fanzine vem ampliando cada vez mais sua área de cobertura. A partir de agora a mídia eletrônica passa a informar você, leitor, sobre as principais notícias desta cidade, que faz divisa com Limeira, Piracicaba, Rio Claro e Santa Barbara do Oeste, e é cortada pelo Ribeirão Cachoeirinha, cuja nascente está situada no Morro Azul e o mesmo desemboca no Rio Piracicaba. Sua população atual é de aproximadamente 20.029 habitantes.

 

Conhecido como “cidade dos lábios de mel”, o município de Iracemápolis está localizado a 170 km da capital e surgiu de um vilarejo denominado Santa Cruz da Boa Vista. A origem do nome vem de Iracema que provém da língua indígena e quer dizer virgem dos lábios de Mel e pólis é de origem grega e significa cidade.

 

Iracemápolis se emancipou de Limeira em 31 de dezembro de 1953. A posse do primeiro prefeito, vice-prefeito e dos vereadores ocorreu no dia seguinte, primeiro dia de 1954.

 

Daí para cá, o Município não parou de crescer. A presença importante da indústria açucareira cumpre o papel de dar à cidade um lugar de destaque entre os municípios brasileiro, a Usina Iracema é hoje uma das mais modernas do país no ramo açucareiro.

 

Através do trabalho desenvolvido pela secretaria de desenvolvimento econômico do município, secretariada pela Gestora de Negócios Internacionais  Silvia Helena Camargo, em 2013 a Mercedes Benz anunciou a instalação de uma fabrica, a instalação da fábrica da Mercedes-Benz em Iracemápolis deve gerar 7 mil empregos. A estimativa foi divulgada pelo diretor de relações institucionais da empresa, Luis Carlos Morais, durante o anúncio da construção da construção da unidade.

 

 

Turismo

 

A Fazenda Morro Azul: A fazenda Morro Azul, têm sua origem na Sesmaria do Morro Azul, situada nas cabeceiras do Ribeirão do Pinhal, que em 13 de janeiro de 1817, foi concedida ao Tenente Joaquim Galvão de França e Manoel de Barros Ferraz. Sua formação ocorreu por volta de 1820.

 

Seu primeiro proprietário foi o Brigadeiro Manoel Rodrigues Jordão, um dos mais importantes defensores da Independência do Brasil. Este nobre cidadão, participou com outros poucos patriotas, oferecendo seu capital, para reposição do dinheiro do Banco do Brasil, cujos cofres, haviam sido esvaziados pela família real, por ocasião de seu retorno a Portugal. Não é mera coincidência, o nome dado à cidade de Campos do Jordão, e vale a pena observar que o terreno, no qual foi construído o Museu do Ipiranga, pertencia ao influente Brigadeiro.

 

A sede da Fazenda foi construída entre 1868 e 1877, pelo seu filho, Silvério Rodrigues Jordão. Todo o material de construção, canos, blocos, vidros, móveis, portas e janelas, veio da Europa, e a partir de Campinas, em carros de bois, por 120 km de lamaçais.

 

Enquanto a maioria

das fazendas de café têm estilo colonial, são belas e amplas, porém, sem maior criatividade, o Solar da Morro Azul se destaca pela excelência de seu projeto arquitetônico e sua forma apalacetada, sendo a única sede rural brasileira com azulejos, portugueses e ingleses, utilizados na decoração de sua fachada. No processo de tombamento, ocorrido em 1973, comandado pelo pesquisador, Arlindo de Salvo, foi considerada como, "Talvez o mais requintado exemplar de fazenda do Século XIX".

 

Por ter hospedado, duas vezes o Imperador Pedro II, é conhecida na região, como a Fazenda do Imperador, mais precisamente, como Casa de D. Pedro.

 

 

Atrativos:

 

A entrada, com estrada cercada de Palmeiras Imperiais e Pau Ferro, demonstrando proximidade com a Família Real. No interior da casa, o visitante encontrará, papéis de parede franceses e ingleses, gobelinos e quadros antigos, uma bela capela dourada, vizinha à "Sala de Visitas Imperial", lustres e móveis do século XIX, biblioteca, com livros raros e os quartos e camas, em que dormiram, o Imperador D. Pedro II, a Imperatriz e a Princesa Isabel.

 

Na área externa o visitante se deliciará com um riacho de pedras, a floresta com seu centenário jequitibá, a gruta construída pelos escravos e um magnífico conjunto de salas de banho, constituindo as Ruínas das Termas do Imperador. A Fazenda Morro Azul, está aberta para visitações, previamente agendadas, para grupos organizados, com opção para serviço de restaurante. Os passeios, serão acompanhados por guias ou por pessoas ligadas à família proprietária